Machu Picchu sempre esteve nos meus planos, há muito tempo esperava a hora ideal para conhecer a cidade sagrada dos Incas. Tenho alguns destinos que julgo especiais e que por isso merecem ser conhecidos em momentos que se enquadrem nesse adjetivo.

O momento especial chegou, dei de presente para Ricardo (meu marido para quem ainda não nos conhece por aqui) uma viagem para o Peru para comemorarmos seus 50 anos. Comprei as passagens, montei um cartão com várias imagens dos lugares que pretendia levá-lo e no texto tinha a data de nossa viagem (abril de 2018).

Ele ficou boquiaberto, foi pego totalmente de surpresa. O aniversário dele é em janeiro – assim como o meu – mas eu sabia que por questões do trabalho dele eu não poderia marcar uma viagem sem avisá-lo com antecedência, assim comprei as passagens em janeiro para viajarmos 3 meses depois.

⇒ Leia também Roteiro de 8 dias de viagem para o Peru

Essa viagem já tem vários posts aqui no blog, deixei esse sobre Machu Picchu para o final porque não queria escrever o mesmo de tantos outros textos que li quando pesquisava para elaborar nosso roteiro, então pensei em fazê-lo no formato de miniguia reunindo as informações da melhor forma que achei para ajudar a quem pretende conhecer aquele lugar mágico.

Machu Picchu no Peru

Mariana, minha cunhada que também escreve de vez em quando aqui, foi bem antes de nós e escreveu sobre a viagem que fez, para saber mais sobre a origem da cidade sagrada dos Incas, leia esse post que com certeza você já vai começar a entender o porquê de todos saírem de lá encantados.

Por onde começar a elaborar sua visita à Machu Picchu

Como comentei lá no começo, essa foi uma viagem surpresa para Ricardo e como tal ele não teve muito tempo para se programar. 3 meses parece um tempo razoável mas para o trabalho dele, dependendo da época não é. Ele só me confirmou que poderíamos embarcar na data programada 20 dias antes. Foi quando comecei literalmente a correr contra o tempo para fazer as reservas que precisava e comprar os ingressos que precisaríamos.

Uma coisa era certa, ficaríamos uma semana em Cusco e na volta faríamos uma conexão em Lima com tempo suficiente para conhecermos um pouco da capital peruana. Essa escolha foi minha porque já fizemos isso em outras viagens e assim vamos conhecendo algumas cidades aos poucos.

⇒ Leia também O que fazer durante uma conexão em Bogotá, Conexão no Panamá: o que se pode fazer em poucas horas e Cidade do Panamá: os encantos de Casco Antiguo

No nosso caso, a primeira coisa que fiz foi entrar no site oficial e ver a disponibilidade de ingressos para a semana que estaríamos em Cusco, isso mesmo antes de ver hotel e como seria nosso transporte de Cusco pra lá. Como ir à Machu Picchu era o objetivo principal da viagem, organizei o restante do roteiro a partir de nossa visita à montanha.

Mesmo para quem tiver mais tempo para planejar essa viagem, sugiro consultar o calendário de ingressos com antecedência para garantir o dia e depois disso ver as passagens de trem ou van e dividir o restante do roteiro.

Machu Picchu

Sobre os ingressos

A visitação a MaPi sofreu mudanças um tempo atrás, passou a ter horários pela manhã ou à tarde, antigamente podia-se entrar na montanha no começo da manhã e sair no final da tarde se assim preferisse o viajante, mas atualmente quem entrar pela manhã tem que sair até o meio-dia quando começa a entrar o grupo do segundo turno.

Passaram a limitar o número de visitantes diários, por isso é aconselhável comprar com antecendência. Para você ter uma ideia, eu olhei com 20 dias de antecedência e só consegui disponibilidade pela manhã em apenas 1 dia da semana que estaríamos em Cusco.

Tipos de ingressos

Há 3 tipos de ingressos, um apenas para visitar a cidade, outro cidade + montanha Machu Picchu e ainda cidade + montanha Waynapicchu. Esses das montanhas são para quem pretende subir ao topo delas, a primeira é mais alta do que a segunda. Quem optar por subir em alguma das montanhas, precisas escolher o horário de entrada na cidade e depois o horário para subir, isso está disponível no ato da compra.

Ingresso para visitar a cidade – U$ 45 em média, depende da conversão dos Nuevos Soles

Ingresso para visitar a cidade + qualquer uma das montanhas – U$ 60 em média, depende da conversão dos Nuevos Soles

» Nós compramos o ingresso cidade + Waynapicchu mas não subimos, quando chegou a hora de entrarmos estava chovendo e nos disseram que poderia ter áreas escorregadias pelo caminho. Nosso espírito aventureiro não chega a tanto então desistimos.

Montanha de Waynapichu em Machu Picchu

No ato da compra havia uma observação sobre a necessidade de levarmos o cartão de crédito utilizado e um documento de identificação porque seria obrigatório mostrá-los na entrada mas nos pediram nada, apenas pegaram nossos ingressos, passaram no leitor e nos devolveram.

Onde comprar

Site oficial do governo

Get Your Guide

Agências de turismo aqui no Brasil ou em Cusco

Na bilheteria na entrada da cidade para quem encarar arriscar

Como chegar à Machu Picchu Pueblo = Águas Calientes

Há algumas opções para chegar à cidade, nós optamos pela mais rápida e confortável mas há quem prefira ir caminhando por trilhas. Esse não é nosso perfil de viajantes então não tenho informações detalhadas a respeito. Vou deixar aqui o que descobri durante minhas pesquisas anteriores à nossa viagem.

Van – esse transporte pode ser contratado em várias agências de turismo, a viagem é longa e na verdade não chega direto em Machu Picchu, chega à hidrelétrica onde há um trajeto pelos trilhos de trem e ainda uma caminhada por uma trilha, enfim, é para quem cure aventura e não se importa com conforto, o que definitivamente não é o nosso caso.

Trem – podemos comprar os tickets de trem partindo de Ollantaytambo ou de Poroy porque em Cusco não tem estações de trem. Nesse caso há a opção de comprar a passagem de trem junto com o traslado até Ollanta ou ir de táxi, van ou ônibus até a cidade que fica a 1:30h de Cusco.

Trem para Machu Picchu

⇒ Nós contratamos a viagem de ida junto com o pacote de passeios com nosso guia, fomos num carro privativo até Ollantaytambo e voltamos na van compartilhada.

Trilha – há várias trilhas, dependendo do local de partida podem durar de 1 a 4 dias.

Veja como foi nossa viagem de trem para Machu Picchu aqui.

Uma dica para chegar à Ollanta sem pagar o traslado junto com a passagem de trem é combinar a visita ao sítio arqueológico de lá com o dia da viagem para Águas Calientes, assim você visita as ruínas que são lindas, pode almoçar na cidade e no final da tarde pegar o trem para Machu Picchu Puebla como é também chamada Águas Calintes.

Pernoitar ou não em Águas Calientes?

Depois das novas regras para visitar Machu Picchu ficou muito cansativo chegar à Águas Calientes pela manhã, subir a montanha e voltar no mesmo dia, é o tipo de escolha que achamos que não vale a pena porque nesse caso com certeza o passeio pela cidade sagrada será comprometido sim. Mas há quem prefira por questões de economia ou estilo de viajante mesmo.

Nós preferimos chegar à Machu Picchu Pueblo = Águas Calientes no começo da noite, ficamos num hotel bem perto da estação de trem e seguimos no comecinho da manhã do outro dia. Ficamos na montanha até quase 1h da tarde, descemos, almoçamos com calma, passeamos pela feria de artesanato e seguimos para Cusco no trem do final da tarde.

⇒ Leia Águas Calientes: como chegar, onde ficar e onde comer

Estávamos realizados porque nossa visita foi muito tranquila, sem pressa alguma e chegamos em Cusco bem dispostos  apesar do longo dia de subidas e descidas.

Como subir à montanha partindo de Águas Calientes

A forma mais comum de subir até a entrada da montanha partindo de Águas Calientes é de ônibus. Ele parte de uma rua bem perto da estação de trem, a passagem custa U$ 24 ida e volta.

Nós compramos nossas passagens assim que chegamos à cidade, antes mesmo de irmos o hotel. O guichê ficava no meio do caminho e preferimos garantir logo para não perdermos tempo no outro dia já que nossa entrada na montanha seria ás 7h da manhã,

A passagem não tem horário marcado, apenas o dia. É formada um fila (grande dependendo do horário) e os ônibus seguem assim que ficam lotados, mas todos em pé. Nós chegamos por volta das 6:30h e seguimos no terceiro ônibus.

Fila para pegar o ônibus para Machu Picchu

O guichê para compra da passagem para o ônibus fica nessa rua no lado esquerdo da calçada

O trajeto dura uns 25 minutos e é por uma estrada muito sinuosa com uma linda paisagem mas confesso que às vezes eu preferia não olhar para o desfiladeiro que vai e vem estava bem à vista pelas janelas do ônibus.

Na estarada para Machu Picchu

Vista da janela do ônibus

Há quem prefira subir e/ou descer por uma trilha. Uma amiga desceu por ela e disse que levou pouco mais de uma hora com o marido. A meu ver é o tipo de coisa que só num dia sem chuva porque com certeza o caminho se torna inseguro por ficar muito escorrido, mas novamente vai do espírito aventureiro de cada um.

Guia em Machu Picchu

Queríamos um guia durante nossa visita porque sabíamos que muita coisa poderia passar sem sentido ou despercebida por não termos ideia de seus significados para os Incas. Contratamos o mesmo guia que estava nos acompanhado nos passeios pelo Vale Sagrado e arredores de Cusco. Marcamos com ele às 9:30h na montanha.

Você deve estar confuso agora já que eu disse que nossos ingressos eram para às 7h da manhã e o guia chagaria às 9:30h. Vou explicar. Eu tinha tanta vontade de conhecer Machu Picchu que queria entrar sem ouvir nada, olhar para onde tivesse vontade, seguir na direção que meu olhar me levasse e com um guia sabemos que não funciona assim, ele entra e já começa a falar até da árvore que foi plantada ali concorda?

Machu Picchu logo cedo da manhã

Quando chegamos havia muita neblina

Ricardo e eu não somos adeptos de tours guiados, preferimos ter nosso olhar e impressões dos lugares, mas ali era diferente. Tem tanta história e tradições envolvidas e em lugares assim contratamos um guia. Por isso marcamos com Ray mais tarde :).

Quem estiver viajando sem guia e tiver interesse, não se preocupe porque eles estão em todos os lugares em Águas Calientes oferecendo seus serviços como também lá em cima na entrada da montanha. Não tem como não conseguir um guia e claro que quem optar por entrar sem um pode entrar sem problema nenhum. Li um relato de uma viajante dizendo que não podia entrar na montanha sem a companhia de um guia, ou ela não entendeu o que viu por lá ou quer forçar a contratação.

Entramos sem problema nenhum sem Ray e nos encontramos com ele lá dentro depois de 2 horas de passeios aleatórios e muitas fotos tiradas.

Machu Picchu

Machu Picchu

Com relação ao valor cobrado não sei informar porque contratamos um pacote com todos os passeios que queríamos fazer em Cusco, no Vale Sagrado, Machu Picchu e traslado de/para o aeroporto.

⇒ Leia Viajar para o Peru: quanto custa uma viagem de 8 dias, nesse post tem todos os custos dessa viagem.

Nos comunicamos com Ray pelo WhatsApp, estávamos com chip EasySim4U e conseguimos trocar mensagens tranqüilamente no alto da montanha.

CHIP PRÉ-PAGO COM PLANO DE DADOS EM MAIS DE 210 PAÍSES COM FRETE GRÁTIS

Saia do Brasil com chip com o plano de dados já no seu celular. Compre aqui e use o código Cantinhodena para ter FRETE GRÁTIS.

Estrutura da montanha

Eu fiquei surpresa com a estrutura e organização. Na chegada há uma grande lanchonete e outras menores, bons banheiros que para usar pagamos 1 Sol, a bilheteria bem organizada e nas catracas de acesso muitos funcionários inspecionando documentos e ingressos. Há também guarda-volumes e máquinas vendendo bebidas e salgadinhos.

Machu Picchu

Muitos fiscais por toda a cidade sagrada. Temos que caminhar num sentido que é sinalizado por placas pelo caminho, os fiscais chamam a atenção de quem sai dele e faz voltar à direção correta.

Nos encontramos com nosso guia na entrada da montanha Waynapichu, como ela fica numa das extremidades da cidade, ele sugeriu que voltássemos e entrássemos novamente para que pudéssemos receber todas as informações desde o início.

Entrada da montanha Waynapichu em Machu Picchu

Acesso à entrada da montanha de Waynapichu

Para encurtarmos o caminho, Ray consultou um dos fiscais, explicou nossa situação e ele nos liberou para passarmos por uns 30 metros na ‘contra mão’ e passou um rádio para avisar ao próximo fiscal para que ele também permitisse nossa passagem.

Saímos e entramos novamente pela entrada principal, mostramos nossos ingressos novamente e soubemos quedemos usá-lo 2 vezes no mesmo dia.

Em nenhum momento vimos pessoas sendo abordadas sobre a questão de horário de saída, o guia nos disse que a regra é que o grupo da manhã saia até o meio-dia mas que isso não está sendo levado à risca. A intenção é restringir o número de pessoas ao mesmo tempo na cidade mas não estão tendo problemas de superlotação até agora. É uma ação preventiva.

Não há banheiros no interior da cidade, é tudo muito limpo, as lhamas passeiam pelos gramados ignorando totalmente os grupos de pessoas que ficam tentando fazer poses ao lado delas pra fazer até selfies kkkk.

Lhamas em Machu Picchu

Lhamas em Machu Picchu

E a altitude?

Chegamos a Machu Picchu depois de já estarmos totalmente adaptados à altitude, mas mesmo assim sentimos um pouco de falta de ar em algumas subidas. São muitas escadas com degraus altos, é um sobe e desce que tenho certeza que até um atleta sente um pouco.

Vimos muita gente, principalmente idosos, usando aquelas bengalas para trilhas para apoio, achamos uma ótima ideia para quem não estiver totalmente seguro em andar pelos caminhos de pedras da cidade. Uma tia minha foi depois de nós e usou as bengalas, disse que foi a melhor escolha.

Machu Picchu

Que roupas usar

Independente da época do ano, as chuvas chegam em Machu Picchu e pegam muita gente desprevenida, comentário do nosso guia. Fomos em abril, chegamos lá com muita neblina, chegou a chover fino mas por uns 40 minutos sem parar e depois o tempo abriu.

Estávamos agasalhados porque saímos ainda amanhecendo do hotel, o tempo estava bem frio mas nos vestimos em camadas como sempre fazemos em destinos mais frios. À medida que o tempo foi melhorando fomos tirando o que estava em excesso e guardando na mochila.

Meu conselho é ir com um tênis confortável e de preferência antiderrapante, não precisa daquelas botas de trilhas se você for subir de ônibus. Pela cidade não tem necessidade alguma delas, um tênis resolvemos muito bem e com segurança.

Machu Picchu

Com relação às roupas sugiro ter um casaco fino na mochila se o dia estiver ensolarado, porque mesmo assim pode acontecer de mudar ao longo da visita. Nós compramos capas de chuva na entrada e nos livrou de tomarmos banho de chuva.

Alimentação

Como comentei, logo depois da catraca de entrada tem uma lanchonete grande, não chegamos a entrar mas vimos muitas gente nela. Podemos levar lanches na mochila sim, desde que não seja um piquenique. É tão comum os turistas levarem sanduíches que quando fizemos o check in no hotel em Águas Calientes nos perguntaram se queríamos solicitar para o dia seguinte, com um custo adicional claro. Não quisemos porque tínhamos algumas coisinhas na mochila que havíamos comprado em Cusco.

Carimbe seu passaporte e registre que esteve em Machu Picchu

Ao lado do prédio onde ficam os banheiros tem uma pequena bancada que fica até meio escondida, nela tem uns carimbos e almofadas para carimbarmos nossos passaportes. Uma amiga me avisou sobre isso e perguntei ao guia onde ficava porque quando chegamos não consegui localizar.

Quando saímos para entrarmos novamente demos de cara com a bancada, aproveitamos e carimbamos. Fica uma lembrança legal :).

Machu Picchu passaporte carimbado

Veja o carimbo das Olimpíadas, conseguimos no Galeão quando embarcamos para os Estados Unidos 2 semanas antes do evento. Os meninos também têm nos deles.

Por fim

O que tenho a dizer sobre a visita a Machu Picchu é que é um lugar de onde saímos diferentes de como entramos, senti uma paz enorme sentada nos degraus das várias ruas daquela cidade misteriosa. Ficamos Ricardo e eu por várias vezes parados, em silêncio admirando o visual e sentindo aquela brisa que soprava lá do alto daquela montanha onde foi construída uma cidade conhecida como ‘perdida’ e ‘sagrada’.

Machu Picchu

O guia nos contou e mostrou detalhes que jamais imaginaríamos nem tampouco tínhamos ouvido falar antes. Machu Picchu é o nome da montanha que fica atrás da cidade, quando foi descoberta não havia nenhum vestígio de como se chama, então recebeu esse nome por causa da enorme montanha que fica ao seu entorno, não foi a cidade quem deu nome à montanha e sim o contrário e esse nome não foi dado pelos Incas que a construíram.

A cidade seja ela ‘perdida’ ou ‘sagrada’ tem uma energia impressionante que contagia a quem se permite sentí-la e recebê-la. Machu Picchu é um lugar que quero muito que meus filhos conheçam um dia.

E sobre o que vimos por lá? Nossa, tanta coisa maravilhosa que não dá para postar aqui fotos e sair mostrando canto por canto, prefiro deixar que sua imaginação cresça à medida que for organizando sua viagem e tenha suas próprias percepções ao chegar lá. Foi isso que fiz, quando me deparava com posts cheios de fotos da cidade eu seguia para outro, queria saber a melhor forma para organizar nossa visita, as imagens eu queria vê-las com meus próprios olhos.

Para salvar no Pinterest

Miniguia de Machu Picchu

E para acompanhar nossas viagens, nos siga no Facebook,  Instagramtwitter,  YouTube, Pinterest e no Google+.

Para programar sua viagem, veja o que você pode fazer sem sair aqui do blog

Reservar hotel pelo Booking;  Comprar seu seguro viagem com a Seguros PromoAlugar seu carro com a RentCars; Comprar seu chip pré-pago para os EUA e Europa na Easy Sim 4U e fazer câmbio na MelhorCâmbio.