Fomos ao cinema assistir Pronta para amar. Havíamos visto o trailer umas semanas atrás e resolvemos assistí-lo porque era o mais antigo dos filmes que estavam em cartaz, assim seria o mais próximo a sair.

Já sabíamos do que se tratava e lá fomos nós.

Não vou contar a estória claro, apenas comentar as sensações sentidas…

Marley (Kate Hudson) está entre a vida e a morte e um dos médicos que a acompanham é Julian (Gael García Bernal), eles se apaixonam e o enredo se desenrola (isso tem na sinopse ok?).

Vamos ao cinema toda semana, às vezes 2 dias até e não me lembro de um filme que tenha me deixado tão emocionada. Chorei muuuuito, a ponto de ficar com o nariz vermelho e os olhos inchados. Não se trata de uma estória melosa, tristíssima apesar de ter o câncer como tema central, mas sabe aqueles dias em que você está totalmente pré-disposta à emoção? Ontem foi assim pra mim. Durante o filme fiquei me perguntando o porquê daquele nó na garganta, aperto no peito… não estava triste mas emocionada. Em momento algum me coloquei no lugar de Marley, mas fiquei muito mexida com tudo.

No começo da tarde de ontem tive uma informação que me deixou um pouco chateada, sabe uma expectativa e de repente você fica frustrada e pensa se vale a pena certos sacrifícios? Mas não fiquei com esse pensamento martelando na cabeça não… estou agora escrevendo e pensando ainda na razão de meu tão incontrolável choro. Ainda bem que era a última sessão e o shopping estava vazio na nossa saída. Meu rosto estava revelando o que havia acontecido na sala.

Amizades, amores, sexo, relação pais e filhos, Gael mostrando seu desirée (fico pensando se isso é exigência dele ou o mercado cinematográfico o rotulou) em todos os filmes ele mostra, Kate Hudson muito à vontade, horas linda, outras desleixada, outras abatidíssima, o que importa é que emoções eu vivi….