Ricardo e eu fomos pra Buenos Aires passar um final de semana prolongado. Como não consigo dormir em avião, sempre levo um livro ou palavras cruzadas pra me distrair. Dessa vez resolvi levar Mil dias em Veneza, livro que ganhei das minhas sobrinhas afilhadas no dia das mães. Como é sabido por todos que me conhecem, adoro Veneza e esse presente caiu como uma luva para que eu revivesse por poucas horas momentos muito felizes e inesquecíveis que passei lá.

Li a sinopse e lá fui eu mergulhar naquela história, isso mesmo com ‘H’, parece mentira mas é verídica. Nas primeiras páginas já fiquei encantada. Marlena conta uma história de amor vivida por ela nas ruelas de Veneza, ah, suspirei várias vezes…

Lia alguns trechos em voz alta pra Ricardo ouvir também e sentir comigo aquela sensação tão boa de amor,  surpresas, sonhos, ilusões, esperanças, tudo misturado e eu lendo o mais rápido que podia porque estava ansiosa demais pra saber o que viria após cada página que virava.

Li mais da metade no livro da ida e deixei-o guardado na mala pra não cair na tentação de lê-lo no hotel antes de dormir, apesar de que isso seria difícil, já que o tempo livre é uma fator que sempre falta em viagens kkkk.

Guardei toda minha ansiedade pra volta, e confesso que quando estava com o livro em mãos dentro do avião fiquei com pena de terminar logo aquela viagem tão gostosa a que ele me levava. Li num ritmo um pouco menos acelerado mas ainda muito intenso, estava tão absorvida pela história que não comentava nada com Ricardo, ele se distraía com o computador, e eu ali, nas alturas literalmente, com Veneza em mãos e sentindo uma inveja da oportunidade daquela mulher de estar mudando a vida completamente, lançando-se num mundo totalmente novo por amor.

Meus pensamentos me levavam a uma doce ilusão de recomeçar, da minha vida de hoje eu levaria meus filhos e meu marido, meus amores de sempre… mas o resto eu deixaria pra trás e recomeçaria. Arriscar alto nunca foi dos meus pontos fortes, mas lendo aquele relato me dava um friozinho no peito, uma sensação de que às vezes quero pisar demasiadamente seguro, isso me deu um certo desalento.

Antes de chegarmos eu havia terminado minha viagem de carona com Marlena, guardei o livro e com certeza sei que vou pegá-lo novamente quando estiver sem outro novo pra ler, faço isso de vez em quando, repito livros que adorei… e além disso, ela coloca no final umas receitas de comidas que ela fez pra Fernando durante os dias em Veneza, ela é uma chef de cozinha gente, tudo de bom!

Estou agora em busca de Mil dias na Toscana e Um certo verão na Sicília, livros dela dos quais li ótimos comentários de leitoras.